segunda-feira, 15 de abril de 2013

Redescubra-se


Faz assim: Você quer um mundo melhor para seus filhos? Quer? Ah, você não terá filhos. Sei. 

Mas então, você quer um mundo melhor para sua velhice? Ah, sim, que bom! Que tal começar a melhorar o mundo hoje ou no mais tardar, amanhã? Sim, tente, é fácil.

- Basta não jogar lixo na rua;
- Basta respeitar as pessoas como elas são;
- Basta não ficar em silêncio se vê alguém maltratando animais, chame a polícia.
- Basta não ficar omisso vendo pais espancando filhos ou filhos agredindo pais.

- Basta não ficar indiferente em assistir a derrubada de árvores na esquina de tua rua;
- Basta!

Para melhorar o mundo, primeiro melhoramos nossa visão de mundo. Não é pelo fato de não ser em nosso quintal que não seremos atingidos. A vida é feita em comunhão de corpos, de ideias e de ideais. E assim também é construída a sociedade.

- Abrace uma causa. Conheça a vida de Irmã Dulce, de Chico Xavier, de São Francisco de Assis. Conheça também o trabalho de Padre Aírton (Arcoverde-PE), ande, levante-se, descubra-se. Não esteja no mundo apenas pra fazer figuração. Deixa pra humanidade alguma promessa de vida em suas ações. Confie em você. Redescubra-se.

Setúbal, noite de segunda-feira, abril de 2013, dia 15.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Um prato de lavagem...


Em Minas Gerais, Bruno confirma a morte de Eliza e o esquartejamento do corpo, que posteriormente foi dado aos cães. Em Caracas, Hugo Chávez sucumbiu ao câncer. Chorão é encontrado morto em São Paulo... Em menos de 24 horas não se fala em outra coisa. Cada um com seus vícios e virtudes. Cada um deles com os seus respectivos fãs. Cada um deles autor de sua própria história. Nas redes sociais as postagens mencionavam, de 10 em cada 10, o nome de um deles.

Enquanto isso aqui no RECIFE, bem pertinho de nós, nas proximidades dos suntuosos projetos do novo Recife que toda uma “parcela social” protestava na Rua do Imperador, a cidadã MARIA GALDINO INÁCIO, 28 anos, corroída pela dor e pela miséria, buscava alternativas para sobreviver e garantir a vida de seus 5 filhos, o maior deles com apenas 12 anos. Maria Galdino é a viúva do também CIDADÃO que morreu enquanto preparava um delicioso prato de LAVAGEM, isso, lavagem, para servir a sua mulher e seus filhos... Lavagem é o resto de alimentos que nossas vós e bisavós doavam aos porcos e cavalos. Lavagem essa, que foi a causa mortis, já que um dos tantos miseráveis que também vivem à margem da sociedade queria para dar ao seu cavalo...

E quantas pessoas acudiram Maria Galdino? Quantas se compadeceram de sua situação? Quem acolherá as 6 vítimas do desprezo social? A culpa é do governo? Será? Ou é culpa da ausência de valores e banalização da vida? Será também que Maria Galdino não merecia que a “sociedade civil organizada” que fechou a frente do MPPE protestasse em seu nome? Não para planos do amanhã – que são imprescindíveis – mas planos para o hoje, o agora, o imediato... A fome matou o pai dessas crianças. A miséria nutrirá a personalidade desses meninos e meninas. E a fome hoje continua lá, corroendo o corpo e a mente desses seis HUMANOS.

Em algum tempo futuro, novos ditadores cairão, outros talvez surjam... Outros cantores também morrerão e a violência vai se perpetuando. E Maria Galdino, como fica? E seus 5 filhos, estão fadados a quê, senão a violência? É muito fácil apontar o Governo. É muito fácil apontar os ricos e abastados. E nós, EU e VOCÊ que talvez esteja lendo esse texto, faremos alguma coisa?

Em suma, muitos dirão: “O Mundo é Indiferente”. E eu digo, NÃO! Nós é que estamos INDIFERENTES com o mundo.

Ah, quem puder ajudar Maria Galdino e seus 5 filhos, moradora da miserável Vila do Papelão, no Centro do Recife, basta ligar para 81.8861.8627.


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

E é assim, mais ou menos, assim...


E é assim, mais ou menos, assim...


Somos um país novo em relação ao Velho Mundo, embora já tenhamos atravessado por aqui, turbulências que qualquer outra nação estaria reduzida ao pó. Mas o Brasil não. Aqui, cassamos o presidente ao meio dia. As 7 da manhã do outro dia parecia um sábado, todo mundo trabalhando normalmente esperando o domingo. 
- Na Grécia, Panteão da história, a simples mudança da moeda fez a população parar o país por 3 meses. É assim.

Pois bem, até agora não entendi porque alguns militantes foram ao Aeroporto dos Guararapes protestar pela chegada da Cubana Yoani Sanchez no Brasil. Tá, e daí? Mas quais motivos fizeram isso? Eu, particularmente não compreendo e não entendo, embora deva respeitar a livre expressão desses manifestantes, mesmo que não me pareça simpática a atitude deles.

Vejamos: Yoani Sanchez protesta por não aceitar ser prisioneira em sua própria nação. PRISIONEIRA. Lá, em CUBA, existe uma dupla de TIRANOS, sim TIRANOS. Da mesma forma que na Venezuela tem outro tirano de marca maior, o patético Hugo Chávez. E na verdade, quem somos nós, os Brasileiros? Além disso, porque alguns militantes da mesma forma que foram receber a Cubana Prisioneira não acampam no Senado em Brasília e protestam pela chegada de Renan na Presidência? Porque aceitaram José Sarney Imperador do Maranhão até então no Senado? Por que Maluf continua solto e sendo eleito? Vejam, são muitos porquês... 

Em verdade, só escrevi esse texto para provar que estamos em plena democracia. Se estivesse escrevendo isso na década de 60, já estava preso, torturado, deformado pelo peso dos coturnos, pela rigidez do choque elétrico, pela barbárie do pau-de-arara... Essa nossa liberdade é tão preciosa, que nos impede sequer de silenciar para regimes autoritários e repressores. E quem acha que falo desvarios, mude-se para o Caribe... Mas antes ache a resposta: já que Cuba e o Socialismo Castrista dos Tiranos Fidel e Raul Castro é tão bom, porque não prospera no resto do mundo? 

Vai entender a cabeça desse povo. Ah, antes que esqueça: O Governo Brasileiro apoia outro estadista do terror, aquele lá do Irã, o Armadinejad.


Os Castros. O Chávez. O Armadinejad... Se são esses nossos heróis, eu RECUSO. Ainda prefiro a Turma da Mônica e o Zé Carioca.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Chegastes, 2013?


Olá 2013. Que bom que chegastes. E tantos disseram que você não viria, imagina. Então novo ano, tenho algumas observações a fazer, pedidos e considerações que devem ser ponderadas por você. 

- Tenho cá comigo, um rol de pessoas que convivo que em certas horas me causam náuseas. Como não posso e sequer tenho o direito de julgá-las, optei por não ficar na mesma rota delas. Fiz mal? Acho que não. Isso evita outra rota, a de colisão... 
(imagem pertencente a http://fbca.org/)

O que fiz no ano que terminou, pensei bastante. Aliás, para ser mais exato, comecei a permitir que minha personalidade fosse mais eloquente. Não quero ao meu lado amargor, picuinhas, fofocas, maledicências e desamores. Nem dissabores. Quero o novo, o inesperado, o estímulo de reconhecer e conhecer, até as mesmas pessoas, claro, não fecho em copas as possibilidades... Quero também que meu caminho seja desconhecido para pessoas de índole duvidosa e também para pessoas falsas, mentirosas, invejosas e traiçoeiras. Pessoas que mentem, que são dissimuladas, que pregam uma coisa e fazem outra totalmente oposta, embarquem no portão diferente do meu. Não desejo vocês no meu mundo, fiquem nos seus, é bem mais fiel a personalidade de vocês.

Também, 2013, quero que a energia emanada pelas pessoas que tem luz sirvam para, em parceria com a minha energia, iluminar todos os caminhos. Os meus, os seus, os nossos. Quero, Novo Ano, que você me ajude a ser mais solícito, mais compreensivo, mais obstinado. Que eu não seja uma pessoa má e insensível. Quero também, que a humanidade melhore. Ah, que bom será quando isso acontecer.

Sem exagerar nos meus quereres, gostaria que você, oh, novo ciclo, fizesse com que as pessoas descobrissem que Deus é amor, não é punição nem escravidão. E também não é surdo... Que a sociedade aprenda, definitivamente, que a fraternidade, a paz, a caridade, o respeito e a gentileza, são pilares essenciais na construção do caráter social de um povo. Que as numerosas manifestações de condição sexual, de religiosidade, de períodos festivos, também estivessem presentes na defesa dos direitos dos animais, na defesa do ensino público de qualidade, na exigência de saneamento básico e saúde para todos, sem distinção. Que também, as pessoas se interessem pela política oxigenando o nosso cenário e eliminando aqueles que nada fazem em prol da cidade, do lugar em que moramos. Quero que a juventude tão bem antenada com as novas mídias e suas redes sociais, exijam moralidade e respeito com o dinheiro público. Não esquece, 2013, que só a cultura e a educação transformarão nossa sociedade pra melhor, e isso já seria um bom começo.

Por fim, quero que a prática da leitura seja ampliada por todos os quadrantes de meu Estado, fazendo com que, depois de tanto lerem, descubram o poder do questionamento. Basta isso, novo ano. Quem lê, aprende a interpretar. Quem interpreta, aprende a falar, ouvir e escrever. Quem sabe isso, aprende a pensar... Aprendendo a pensar, a sociedade muda e melhora.

Fique a vontade, 2013. O ano é seu. Façamos desses próximos 12 meses, a construção de dias melhores, para o bem de todos os homens e mulheres de meu país.

"Por detrás da Alegria e do Riso, pode haver uma natureza vulgar, dura e insensível. Mas, por detrás do Sofrimento, há sempre Sofrimento. Ao contrário do Prazer , a Dor não tem máscaras." Oscar Wilde

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Aos Mestres, com carinho.



          Embora essa nova concepção de família que ora vigora, imponha à escola a função social do aluno, excluindo – a família – da responsabilidade de agregar os valores e virtudes ao filho, o universo escolar tornou-se a extensão do lar. Os professores devotados na função de ensinar deparam-se com a tarefa descomunal de exercer além suas atribuições profissionais, os cuidados na educação social desses meninos e meninas. O resultado disso é uma sobrecarga que interfere diretamente na qualidade de vida desses homens e mulheres da escola.
Na verdade, muito do que sou hoje devo a educação que tive. Nasci em uma família de professoras. Minha mãe, Cenira, é professora. E é além de linda, uma profissional de alta competência. Toda turma que ela administra, atinge ou  supera as metas do IDEB. E minhas tias, a grande maioria também seguiu esse destino, ensinar e aprender. Minha Tia Evanira – de saudosa memória – foi um crânio da língua portuguesa. Se viva fosse e tivesse acesso as Redes Sociais, teria um infarto diário com o assassinato coletivo da língua. E são tantas tias professoras: Tia Wilma Cambão, Tia Auristela, Tia Nailê. Essas são as de sangue. Mas tive outras professoras que não esqueço um só dia.
Orgulhosamente, aprendi através da educação não apenas as normas linguísticas ou fórmulas, ou tabelas. Aprendi a pensar. Aprendi a formatar opinião crítica. E, a essas mestras que tive, meu carinho, respeito e admiração sempre.

Obrigado Tia Geovette, tão doce;
Obrigado Tia Mara Apolinário;
Obrigado Mundica Teixeira pela retidão e pressão que exercestes.;

Obrigado minha adorada professora Valéria da EPAA– Sempre fica um pouco de perfume, nas mãos que oferecem rosas – Não esqueço;
Obrigado Claudete Galvão, pró tão amada;
Obrigado Yolanda Almeida que eu apertava de tanto abraço e beijo;
Obrigado Ana Lúcia Morais, brava mais correta;
Professor Dinho Binga da Rocha, tão querido;
Obrigado, Professora Maria Eugênia, também da EPAA, tão cedo partiu, tão linda;
Minha amada Mabel Solange, obrigado;
Obrigado Professora Zânia. Obrigado Louraci. Obrigado Dóia Diniz. Obrigado Socorro Amariz, competente e carinhosa. Obrigado Carmém Lúcia da EPAA, saudades. Obrigado Professor Edson Binga, Gente fina. Obrigado Helena Marques. Obrigado Adelaide Leite, tantas gargalhadas. Maria José Amorim, também um exemplo. Com certeza posso ter esquecido algum nome... Mas garanto, não esqueço de nenhum professor que me encontrou no caminho.

E obrigado a minha mãe, Cenira Araújo, que me fez conviver dentro do ambiente escolar, afinal, o que eu mas assisti na vida foi Mainha planejando aulas, talvez por isso, convivi com tantos e tantos mestres, que ajudaram na construção do meu universo particular.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

E a saudade é infinita.


Desde ontem estou um tanto à flor da pele. Não sei o motivo. E até sei. Por ser visceral demais, os fatos externos corroboram. Uma reportagem, uma cena, um depoimento... Até a morte de Hebe Camargo ajudou a me fazer mergulhar nas reminiscências... O conjunto de coisas que acontecem ao meu redor acaba, peremptoriamente, mexendo com meu cotidiano. Ser emotivo tem esses lances noiados, é de praxe.

Para completar esse turbilhão de pensamentos que povoam meu raciocínio, quando estou dirigindo gosto de mudar a estação, várias vezes. E daí, colhendo uma frase aqui, outra acolá, vou descobrindo tantas respostas para dúvidas que eu carrego desde a adolescência. Fase essa que teimo em achar que sequer sai. Então, sozinho, no carro, ouço Carl Simon – Coming Around Again - é nostalgia pura, afinal, tudo pode acontecer novamente, e só quem viveu na intensidade que eu vivi sabe reconhecer a representatividade que esses devaneios musicais causam.

Voltando: Muitas rádios da Região Metropolitana, e acredito que de todo Brasil, tem um tal de Especial do Rei Roberto Carlos. Cara, a sensação é forte. É viajar e voltar à infância. É sentir que a felicidade sempre esteve ao nosso alcance, nós, por muitas vezes, acabamos por estragar o que a vida nos dá. Ouvir Roberto me lembra cheiros. Perfumes. Pessoas. Lembro-me de Tia Evanira, lembro-me de meu vô Maneca, de minha vó Ritinha. E lembro que a vida passa, e passa célere demais. E nesse passar ela leva tantas verdades, tantos mitos, tantos objetivos... E sua rapidez insana esconde as cicatrizes que a vida nos dá, marcando indelével e forte, feito aço quente em lombo de rês.

Juro, não quero ir tão cedo. Quero chegar aos 100, se Deus assim permitir. Mas, em cada ano que eu viva, que arranque as melhores gargalhadas, os mais sinceros olhares, as mais fiéis preces, os mais afetuosos abraços. Que eu siga mudando com a vida e que jamais a vida me mude. Que eu possa olhar dentro de minha alma, e aos poucos, reconheça meus erros, vença meus medos, dome meus instintos.

Que o destino, esse camarada impetuoso, traga para meu caminho, todas as escolhas que não fiz. Que as pessoas que cruzaram minha estrada tenham a convicção que deixaram em mim o seu melhor e levaram de mim o meu melhor. E que lá, na frente, corram, se apressem, busquem aquilo que perdeu. Afinal, a gente só perde aquilo que é nosso. E a nossa lembrança e nossa saudade são a promissória não resgatada de um saldo devedor, onde a correção são as marcas implacáveis do tempo.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Petrolina. O mais belo recanto do mundo.


Dorme o sol, à flor do Chico, meio- dia... O poeta disse isso.  Na verdade, nunca acreditei nessa frase. O sol nunca dormira. Sempre esteve vigilante e atento, ao caminhar de Petrolina.
     
      117 anos avançando, crescendo, orgulhando. Minha infância rica de peraltices e de aventuras, que tem como palco minha Petrolina altaneira, nunca vislumbrava a potência que minha terra tornar-se-ia. Sim, minha terra. Nasci em Juazeiro, afinal, a médica plantonista de minha mãe estava lá... Em 12 horas pós-rebento, já estava eu respirando o vento agreste de minha Petrolina.

       Talvez Dom Malan tenha sido o mais fiel tradutor dessa terra.  Ele como bom homem da Casa de Deus e com a oratória das massas reunira os fieis em volta daquela planície e bradara: “Façamos a casa de Deus... E tudo mais crescerá ao redor!”. E aos poucos, as pedras do Caldeirão da Raposa iam chegando... Carroças, carrinhos de mão, na cabeça dos mais fortes... e aquela construção tomou forma, tornando-se o ícone da cidade ribeirinha, minúscula, e igual a tantas outras banhadas pelo Rio São Francisco. Mas quis o destino e a força de seu povo, que Petrolina se destacasse. Tínhamos ao nosso favor dois homens fortes - Dom Malan e Coronel Quelê - Um focado na fé e na Religião, e o outro focado na Fé e no trabalho. E ao redor dos dois célebres homens, muitas famílias com grandes outros nomes, que aos poucos, construíram o alicerce da Petrolina do futuro.

Pois é Petrolina, declarar meu amor por você é um tanto vago, tendo em vista que mais de 200 mil pessoas assim o fazem.  Mas não posso deixar de registrar o quanto és bela, o quanto representas, o quanto significa para mim. Em teu solo repousam os restos mortais de meus antepassados, em especial meu avô que tanto trabalhou para ser o que és.  Em teus bairros, residem tantos e tantos cancões como eu, descendentes daqueles que te viram nascer, crescer, se consolidar.

Nesses teus 117 anos, recebe meu afeto e meu respeito pelo que fostes, pelo que és, e pelo que serás no futuro, a Capital SanFranciscana do Nordeste Brasileiro.

domingo, 20 de maio de 2012

Cacos de vidro que teimam em cortar.


É incrível como por mais que as pessoas achem que se conhecem, que se respeitam, que perdoam, que entendem ou que relevam, vem a vida e prova que não sabemos nada. E não falo de amores ou romances, falo de amizades, de cumplicidade, de se entender pelo olhar ou até pela situação. Em suma falo de amigos e amigas... Em tese construímos muralhas que servem para defender alguns amigos que escolhemos. Batalhamos, damos a cara pra bater e também pra apanhar... E vem o tempo ou alguma ocasião sem avisar e por uma falha miúda no script, descobrimos a verdade ou a falsa verdade que por ser talhada na mágoa acaba tornando-se factual. 

É chato, dói um pouquinho ou dói muito, não passa despercebido, mas se apaga em poucos dias da memória espontânea. Mas nunca, e registre-se o nunca, ficará esquecida. Como um fantasma insepulto, aquela cicatriz vai estar lá... usa-se quilos de maquiagens, pós, brilhos e até, quem diria, anti-idades nas mais diversas fórmulas miraculosas. Só que infelizmente o estrago foi feito. O hematoma coagulou e manchou a pele. Não só e também e ainda até a epiderme... a marca é na alma.

É uma pena.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Receio que o tempo voe...

Tempo. Implacável senhor dos destinos. Não falo em destinos individuais, e sim do coletivo, do todo. Observo  que embora existam ações para salvar animais, para encontrar desaparecidos, para se indignar com a violência, falta por completo uma reflexão criteriosa de quem nos representa... E, mesmo sendo fiel conhecedor de onde parte a mudança, encaro com perplexidade a apatia da sociedade em fazer a mudança acontecer. Em cobrar os nossos plenos direitos. Em exigir o simples, o básico, o obrigatório: Respeito ao cidadão.

Continuamos a ver o Brasil agir como o Estado patriarcal, mantenedor e resolvedor. 
Ora, a nação não é senhora de nossos destinos. É exatamente o contrário. 
Cabe ao cidadão exigir a mudança, exigir as reformas, exigir seus direitos. Não adianta que uma pequena parcela conheça e viva o conhecimento e a cultura, quando a maioria esmagadora da população agora, depois de décadas, descobriu que pode trocar a  geladeira, o colchão, o fogão...  
Como vamos esperar dessa maciça maioria discernimento se ainda endeusam políticos das mais sórdidas espécimes porque lhe cedem alguns litros d'água logo ali, após a espinha dorsal da BR 232?

O que vou esperar de uma juventude precoce para o sexo, para as drogas, para a violência, para o consumismo, se as novas famílias entregam à escola a função de educar e de socializar seu filho, sobrecarregando a função educacional com deveres que sequer constam na grade curricular?

Para formamos uma civilização de bem, é preciso que a família eduque o básico, dê o essencial e estimule a formação do caráter. O conjunto de ações deve partir do lar para escola e da escola para o desenvolvimento. Não dá para esperar de alguém que urra thuthucas, popozudas, ais se eu te pego e outra infinidades de melodias, que vão da pornografia a violência sexual contra a mulher, da pedofilia a descriminação em apenas uma estrofe, que se escolha corretamente os gestores de novo Brasil que vai surgir.

Nota do autor:
Exatamente no dia em que a Comissão da Verdade começa a funcionar - que me deixa feliz pela derrubada das interrogações jamais respondidas e ao mesmo tempo muito medo pelo que sofreremos ao sabê-las - já que antes, quando eu lia sobre revolução, passeava em minha mente as cenas descritas em livros de história ou capas de jornais antigos, me surge e me aflige mais uma questão: Antes era o terror da ditadura que ocorria logo ali, na nossa esquina. Agora e mais uma vez, embaixo de nossos narizes e diante de nossos olhos uma nova revolução começou: A do mal gosto e do desrespeito ao ser humano, que em 20 ou 30 anos, comandará os passos políticos e sociais do Brasil.



quarta-feira, 11 de abril de 2012

Nunca é perene...

Ivan Lins é um dos mais completos compositores do país. Ele, como poucos, consegue escrever as mais belas composições que são viscerais e podem, graças a riqueza das estrofes, simbolizar a velha máxima de que a vida imita a arte. O Som da Noite desta quarta feira de abril, traz a composição "Coração de Isopor"... Não consegui achar o vídeo, então segue a letra. E ela vem diagnosticar a verve "nelsonrodriguiana" que habita em mim. Mas não me iludo, não se iluda... Esse habitar é de aluguel, nunca é perene.



"Meu coração é feito de isopor

Mantém o gelo, mantém o calor
Depende do teu tipo de amor
O que me dás é o que eu te dou...

Por isso é que às vezes te esqueço
Simplesmente eu te desconheço
Estás dentro dos olhos
E eu não te vejo
Estás dentro da boca
E eu não te beijo




Estás nas minhas lágrimas
E eu não te choro
Estás dentro de mim
E eu te ignoro



No coração...

Por isso tantaz vezes te pressinto
Por loucura ou por instinto
Estás em algum quarto
Eu te retiro
Estás em algum sonho
Eu interfiro

Estás com o pé na estrada
Te desgoverno
Estás dentro de mim
Ou no inferno"

Com que roupa eu vou?

Escolhas. Talvez o maior dilema que o humano enfrenta na doce rotina de viver.

Não falo em decisões da roupa, da cor, do corte do cabelo, do show ou do restaurante da moda. Falo nas implicações que temos ao escolher determinado caminho ou status social, já que seremos eternamente responsáveis pela decisão que nos fez escolher essa ou aquela variável.

Muitas vezes nosso egocentrismo nos empurra – ladeira abaixo – em busca daquilo que achamos acreditar ou até acreditamos. Ou seja: Queremos o bônus, mas não arcamos com o ônus. Na verdade, assumir a responsabilidade pelas nossas escolhas é o maior dos desafios.

Optar é sem sombra de dúvidas se privar de algo, ou um ou outro; Mas se alternamos nesta escolha em prol de determinada situação, é que inexoravelmente optamos nisso ou naquilo que nos parece ser melhor ou mais apropriado ao que desejamos.
Desde cedo aprendi que nunca iria me arrepender das escolhas, é quase um dogma. Mas desde cedo também descobri que se fui eu quem escolheu, nada mais lógico que eu mesmo pague o preço pela decisão. E isso serve para mim, para você, para todos nós.

Claro, muitas escolhas custarão horas de ceticismo e cinismo de nossa parte, o orgulho nos fará agir assim. E nesse momento, vem o barulhinho da máquina registradora: Paguemos o preço. Mas peça recibo. Lá na frente, você poderá provar – nem que seja pra si mesmo – que pagou o preço justo pela escolha que fez.

Simples assim,  feito beber água...

Ah, depois de ler, ouvir Miss Possi, claro.

video










terça-feira, 27 de março de 2012

Querido Diário - Eu traumatizei...

Petrolina, cercania das terras dos Cancões, tarde amena de julho de 1983...

Querido Diário.

Muitas vezes os adultos acham que nós, crianças, não carregamos durante toda vida, fatos marcantes, que dependendo do prisma, vão tatuar nosso subconsciente por toda existência.

Naquele sábado, nossas mães foram como de costume, fazer compras no comércio. Vale registrar que comprar com minhas tias era sempre uma odisseia na Souza Junior. Os sobrinhos ficavam então na Casa da Rua, também conhecida como Embaixada do Iraque, sob o olhar atento de nosso avô Maneca. Nossa tia Pilba nos chama para irmos visitar o mausoléu da família, onde repousava em merecido descanso, o despojo mortal de minha vó Leo, emparelhado com o mausoléu de minha Bisa Mônica e demais parentada em eterno descanso.

Crianças com menos de 10 anos de idade, fascinam-se por tudo que é exótico, logo, o campo dos mortos não seria diferente. Michael Jackson com Thriller estava no auge, tinha passado no Fantástico e as especulações em torno de um cemitério povoavam nossa mente em constante excitação.

Na entrada do cemitério, fomos obrigados por tia Pilba a seguirmos em fila indiana e esse foi o primeiro problema, já que ninguém queria ficar no fim da fila, tendo em vista ser ela, Pilba, a guia que ocupava o 1º lugar da organização. Eu, pra variar, fui escolhido para fechar esta trilha mórbida.

Após visitarmos os dois túmulos familiares e em joelhos no batente, sob um sol desértico, rezamos Pai Nosso, Ave Maria, Santa Maria, Credo e outra infinidade de cânticos em homenagem aos nossos antepassados, nos levantamos para voltar pra casa. Mas nossa Tia Pilba, muito emocionada e em inexplicável transe graças ao Gardenal e o torrado - mistura que lhe concedia explosiva assunção - nos chama com um olhar madrástico, a segui-la pelo corredor lateral das catacumbas, a fim, sabe-se lá o motivo, de sairmos pelo portão oeste do Campo Santo. 

Neste enredo, nos perdemos dela. O terror tomou conta de nossos olhos e corações. Começava uma batalha de sobrevivência... 
Ao caminharmos por entre as lápides, um dos mausoléus abriu a grade e sai um senhor bêbado e maltrapilho reclamando do barulho. Neste momento, pernas e bundas se encontravam em temeroso balé, já que um morto estava vivo (segundo nossa imaginação). Por gritarmos muito, Pilba que é surda, ouviu e viu nosso desespero lá do outro lado do cemitério e corre ao nosso encontro. Não sabia ela que no meio do caminho havia uma cova. E, incorporando Maureen Maggi, salta por entre as mais humildes residências pós-vida, errando a última por poucos centímetros, enfiando o a perna até o joelho naquela cova...

O medo e o pânico já eram nosso combustível... O cair da tarde prenunciava uma noite próxima, a igreja resolve badalar os sinos marcando 17 horas... e finalmente titia nos arrasta até a saída do cemitério. 

Na porta da saída existe um espaço com grade e uma torneira que Pilba nos fez lavar pés, rosto e pernas, para higienizar nossa aura (sic). Que todos, assustados com a aventura Jacksoniana, atendemos sem pestanejar a voz da experiência. Mas não contávamos com outra surpresa: sob o clima silencioso e sereno do lugar, em uma tarde de sábado, prestes ao coveiro fechar o Campo Santo, me aparece uma galega alta, alva como as camponesas nórdicas, vestida em um longo vermelho escarlate, com um terço na mão direita e uma garrafa de cachaça na outra mão, bradando: Vieram ver tia Leobina, Pilba?

Foi a deixa. Já não havia mais terror e medo. Era aflição, pânico, mijo arrebatamento. Uma torneira quebrada, pernas arranhadas, pequenos hematomas por todos os braços em contato com a grade que só passava um de cada vez, e um coveiro gritando “quem vai pagar a torneira?”

- Pilba também gritava: “eu sou doente, eu exxcuta não...”

E tia Marli perguntava trôpega:
 - Ué? Estão com medo? 
 - E eles não me conhecem?








quarta-feira, 14 de março de 2012

Dia da Poesia

Entre meios.

E o meio que não se decide,
Se fica a mercê ou ao sabor dos ventos,
Se cria coragem, enfrenta, progride...
Ou se deixa levar por maus pensamentos.

E a roda do dia gira,
Com ela a rotina que no cotidiano havia,
O tempo passando austero, implica:
Em decisões a tomar após a madrugada fria.

Ora, homem tolo que brinca de conhecer,
Entre meios, entre o meio da noite ou do dia,
Bem sabes tu que entre o amanhecer e o entardecer,
A vida só, querendo ou não, gera, move e cria.

Imagem pertencente a (colhida) http://vermelhoxilo.wordpress.com/

sábado, 3 de março de 2012

A mentira é amante legítima da prepotência e esposa fiel da arrogância.

Nesses dias a vida me mostrou alguns fatos que, vez ou outra, nós somos forçados a enxergar. Sou bem tolerante, relevo, até ignoro quando sou magoado. Mas não esqueço... Isso é uma virtude do Escorpiano. Ele não esquece.


Decepções sempre farão parte de nosso cotidiano, não é algo extemporâneo. A maneira de lidar com isso é que se diferencia em cada individuo. E não adianta estimular interrogações acerca do tema, elas são desnecessárias. As pessoas que machucam por muitas vezes agem intempestivamente, baseadas em sua própria arrogância. E existe um provérbio Judaico que ilustra bem isso: “A arrogância é o reino sem a coroa”.

A árvore quando está sendo cortada, observa com tristeza que o cabo do machado é de madeira”. É um belo provérbio Árabe. Martin Luther King também já vaticinou: “No final, não nos lembraremos das palavras dos nossos inimigos, mas do silêncio dos nossos amigos”. Ou seja, belas afirmações de homens e nações milenares provam qual mesquinho é o homem que decepciona... Mas e quanto a nós, que por tantas vezes somos vítimas e também algozes das decepções? Confúcio registrou que “Entre amigos as frequentes censuras afastam a amizade”, e desta forma que acredito começar a enxergar os outros... Amizade é doação, é respeito, é solidariedade, mas também é educação. Na amizade a única coisa que não é admitida é a mentira. Portanto, se a arrogância e a prepotência passeiam sobre vossos círculos de amizade, tenha atenção redobrada: A mentira é amante legítima da prepotência e esposa fiel da arrogância.


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

As Pontes e a Travessia.

As pessoas são únicas. Isso é fato. Cada um constrói ao seu redor, um mundo épico que serve para delimitar até onde o outro pode chegar. Mais que uma defesa, isso é uma estratégia. Tal observação me lembra Michael Foucault, “Devemos não somente nos defender, mas também nos afirmar. Não somente enquanto identidades, mas também enquanto força criativa”.


Essas construções que muitos teimam em erguer podem ser muros, calabouços, porões, prisões... Mas eu me contento em construir pontes. Pontes sólidas. Ininterruptas. Seguras. Pontes que sobreviverão a mais cruel tempestade...  E as pontes que eu construí ou as que construirei são livres. Não cobro pedágios. Todos podem passar, circular por elas. E essas mesmas pessoas poderão entrar e sair à hora que quiserem, mas poucos, muito poucos terão residência no vilarejo que carrego no peito.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Eu tenho muita vergonha alheia...




Li isso no Facebook de um dos meus parceiros de lá. Confesso que não entendi a expressão, até visitar um álbum de uma, digamos, arremedo de cronista social. E olha que de estirpe eu ainda entendo, ou acho que entendo... Na verdade, as citações que postamos podem ser inéditas, compartilhadas, copiadas, até sutilmente furtadas de um ou outrem perfil. Mas as fotos... Ah, as fotos... Fotos são reveladoras - literalmente -  e acabam por mostrar exatamente o contrário daquilo que elas expõem. Explico: Você pode estar gordo (sic), careca, cheio de rugas, cheio de plásticas... Você pode até está tinindo de beleza. Mas se você não tem estilo, Q - U - E - R - I - D - O, não há mesa de frios ou talheres de prata que provarão ter você essa virtude.

Outra coisa muito desinteressante em álbuns de fotos no Facebook: Imitar as Revistas Caras e Quem. Na verdade, e em verdade vos digo, é muito "uó". 

Na boa: Entendo que as cidades crescem, evoluem (algumas), mas o pitoresco clima de província fica entranhado na pele, ou melhor, na falta de estilo que as ditas fotos escondem mostrando. As roupas até conseguem imprimir ou expressar um ar contemporâneo. Mas quando partimos pelas posturas corporais ou as famosas caras e bocas, ai o bicho pega. 

Portanto, fica a dica, se falta feeling naquilo que vais mostrar em teus eventos, faz o favor de ler Danuza Leão. O simples é chique, bem! 

Ah, não é da esforçada, digamos repito, jovem cronista social, a culpa do desastre de suas fotos ou frases nos álbuns. Antes de postar, REVEJA uma por uma, e assim, serás salva do king kong pós publicação. E também não serás condenada pelo bom senso sozinha. Darei uma parcela de culpa aos (as) modelos. Eles também - excetuando raríssimas e comprovadas figuras - não ajudam no resultado final que é totalmente atabalhoado. 

Em tempo: não é a riqueza ostentada nos pratos e seus sabores, suas cores e seus talheres, que dará garantia imediata da salvação do seu evento.


Depois de ler essa humilde crônica, ouvir Café Society, de 1955. A música mostra bem o que tentei dizer.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Dia do Amigo

Vá lá que seja um apelo. Ou um aceno, na mais tímida expressão... Dimensionar a titularidade do amigo nunca é em vão, que fique bem claro. Todavia, é imprescindível que citemos a importância que o amigo representa. Eles - o amigo ou a amiga - são os irmãos que escolhemos.

Todos nós, pela larga caminhada que começou após nosso nascimento, fomos conquistando amigos a cada dia. Desde o jardim I ou da pré-escola até a universidade, nosso círculo de amizades vai aumentando consideravelmente. Muitos entraram e saíram sem sequer notarmos. Levaram um pouco de nós e deixaram um pouco de si. E deste modo fomos acumulando experiências indeléveis que fazem a diferença em cada novo ser que vamos conhecendo dia-após-dia.  E isso, por mais que os céticos e amargos combatam, é uma forma divina. E convictos que o amor é criação de DEUS, aprendemos a reconhecer que os amigos são frutos do amor.

O mundo caminha apressadamente em rota de colisão com os humanos valores. A sede de poder é cruel e insana e desde os primórdios, a força que impede que o homem se perca da sua essência, que é ser FELIZ, é a presença dos amigos.

Desde o planejamento da criação, DEUS, implacavelmente sábio, determina: “Fica criado em nossos corações uma vertente poética e real destinada aos AMIGOS. E eles vão, a cada olhar, riso, gestos e palavras, dando graça na existência humana”. Cumpra-se a Lei!
Saibam vocês e TODOS vocês, que cada um tem um valor imensurável no meu caminhar e guardo um espaço de meu latifúndio cardíaco sem cobrar um reles centavo de aluguel. Os que me deram motivo de sorrir, os que me deram motivo de chorar, os que me decepcionaram ou os que me orgulham, não se enganem: a existência de cada um de vocês, com suas histórias e experiências, lapidam o ser humano que vou sendo e me tornando, e quisera eu ao término de minha jornada neste mundo, sair daqui aprimorado para encontrá-los e ser ainda seu amigo e cada vez mais presente nas outras vidas que o SENHOR DEUS me permitir voltar. Se DEUS me conceder a honra de servir para servir, eu já ganhei a vida. “Amigo é aquele quem segura as pontas, quem combate o revanchismo, quem estimula o levantar, que até calado, perto ou distante, só por existir, faz toda a diferença.”

Obrigado por serem meus. Obrigado por permitir que EU seja considerado ‘amigo’.

Feliz Dia dos Amigos.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Hoje eu sonhei e senti você.

Na verdade, desde ontem. Senti no horário nobre em uma cena temática. Mais o meu sono fez bem pior. Jogou-me em uma aventura excitante de um sonho bom, que me fez perder a hora... Arrancou-me um sorriso sacana e sarcástico de satisfação, claro. E também uma pontinha de decepção por acordar e descobrir que era um sonho...

Mas passou. Pelo menos até a hora de abrir o PC e ler um comentário postado em meu perfil FB sobre determinada foto. E embaralhou tudo. A física tentou até me alertar que Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço, segundo comprovou Newton. E dai o que eu posso fazer? Tentei me resguardar em Chico Buarque, mas fui incentivado a lembrar mais que "hoje eu posso até sambar na pista, mesmo sabendo que você vai de galeria. Sei que você vai me assistir na mais fina companhia. Todavia, se você sentir saudades, por favor, não dê na vista. Bate palma com vontade, faz de conta que é turista".

Sabe por quê? É que Hoje eu sonhei contigo, tanta desdita! Amor, nem te digo, tanto castigo que eu tava aflito de te contar... Sonhei contigo, comigo, conosco... E quando eu acordei tive a certeza que alguém interpretou o alfa. Alguém interpretou o ômega. Eu só fiz publicar o sonho, sem apagar nenhuma vírgula, desde a retina até o afã do entardecer.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Ausências.

Pois é, pessoas. Exaustivas tarefas me consomem por inteiro. Mas, para que não paire dúvidas, continuo com dezenas de textos para redigir e postar aqui. Se eu pudesse teria um assessor só para escrever as coisas que eu penso - e não são poucas - e assim, desembaralhar tantos pontos, opiniões e críticas que se encontram emaranhados sob o prisma acelerado de minha rotina.

Tenho quatro livros prontinhos para uma ávida leitura. E é imprescindível que sejam lidos antes de dezembro deste ano. Ao meu lado, em permanente vigilância, encontra-se a obra "São Francisco de Assis". Um livro forte que me faz embarcar em uma viagem por mundos e nações distantes, e que na última semana me propiciou uma experiência incrível. Só poderei escrever a respeito quando terminá-lo. Mas garanto uma coisa: É o tipo de obra que merece leitura, pesquisa e reflexão, e assim, por completo, nos faz entender a humanidade e a vida de uma forma mais racional, atemporal e em constante evolução.


terça-feira, 8 de março de 2011

Mulher em teu dia.

Comemora-se hoje, dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher. Trata-se de justa homenagem, voltada ao reconhecimento da força que a mulher emana e contagia. É tão simples ato de apenas lembrar-se da mulher quando se necessita de colo, de carinho, de apoio. E na verdade, a Criação Humana ou a Perpetuação da Espécie Humana precisa UNICAMENTE da mulher. E não adianta dizer que o homem tem papel fundamental nisso que a carga maior sempre fica com a mulher, seja conceber, gerar, nutrir e encaminhar a espécie.

Portanto, seja a mais humilde nordestina, sentada à beira do batente da calçada debulhando feijão verde ou as ministras Ellen Gracie e Eliana Calmon, ou as damas da cultura brasileira, Fernanda Montenegro e Bibi Ferreira, ou as insubstituíveis Ruth Cardoso e Zilda Arns, não faltarão nomes a lembrar... Mas, ao citar as mulheres como um todo, não vamos esquecer-nos das milhares de mães que tem suas famílias devastadas pelas drogas e pela violência. Das mulheres dilaceradas pela covardia e estupidez de monstros subumanos. Pelas mulheres que ainda padecem de enfermidades causadas pela ignorância e pelo desprezo.
Muito mudou e muito ainda falta mudar, mas os passos são contínuos e ininterruptos. Já temos mulheres que se destacam na política de forma brilhante, tome como exemplo a Deputada Cidinha Campos do Rio de Janeiro. E temos, para o orgulho da mulher brasileira, a primeira Presidenta da República Federativa do Brasil: Dilma Vana Rousseff.
“Quando uma mulher entra na política, muda a mulher. Quando muitas mulheres entram na política, muda a política”. Michelle Bachelet (médica, política, ex-presidenta do Chile).

domingo, 27 de fevereiro de 2011

O que perdemos na linha do tempo, acharemos

Todos nós, obrigatoriamente, temos infância. Talvez a ‘nova geração’ na qual enquadro minhas sobrinhas, sobrinho e meu irmão caçula, não vivenciará aquilo que tantos outros iguais a mim viveram em seu tempo e ao seu modo. Vamos aos fatos: Lá pelos idos de 1986, estudei em um colégio daqui do Recife e tinha minha turminha de sala em que vivíamos grudados. Lembro que eu não era do fundão, tampouco da turma CDF, mas tinha um grande amigo que era, seu nome: Lelo Paiva. Os trabalhos extra-sala fazíamos juntos. Eis que o destino tomou cada um de nós pelo braço e fez a rota específica de ambos. Após alguns anos, eu voltava do interior e lembrei-me de seu fone.  Fiz o contato via tel, marcamos um lanche e conversamos um pouco da vida que levávamos em nosso universo particular. Depois disso, nos perdemos mais uma vez.
Ontem a tarde, assisti o Programa do Luciano Huck e um dos quadros o participante cantara Canção da América, de Milton Nascimento. De cara lembrei que recebi um cartão de Natal em que esse meu amigo mencionava trecho desta música. Minha impulsividade martelou tanto a caixa craniana que fiz uma busca no Facebook, no Orkut, e nada de achá-lo.  Por sorte fui ao Google e acabei achando algum resultado dele no ano 2000. Não me fiz de rogado e fui para a lista telefônica na net.  Não tive sucesso. Porém, pelo sobrenome dele achei o número de alguém que tinha o primeiro nome parecido com o dele e o mesmo sobrenome: Bingo! Liguei para casa do pai dele e pedi para chamá-lo. Confesso que tem horas que nem eu acredito na minha cara lisa. O pobre do Lelo tomou um susto. Pelo menos lembrou que eu de fato era o mesmo. O mais engraçado é que moramos atualmente no mesmo bairro, duas quadras distantes e a menos de 600 metros um do outro.
Moral da história 1: O Mundo é uma azeitona.
Moral da história 2: Só quem marca episódios da vida da gente, garante com tintas indeléveis seu lugar na nossa história.
Moral da história 3: A Internet é uma janela para o mundo. Maktub.


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Dilma & FHC... Vai dar namoro?

Marcelo Justo/Folhapress
Segundo revistas, blogs, jornalistas e uma infinidade de fontes, no aniversário da Folha de São Paulo, nesta semana de fevereiro, a Presidenta da República Federativa do Brasil teve cordial conversa com o ex-Presidente FHC, vejamos:

'Dilma quer conversa particular com FHC - Depois de um caloroso cumprimento na área vip e de uma troca de beijinhos em pleno auditório da Sala São Paulo, a Presidenta Dilma Rousseff convidou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para uma conversa. Segundo a Folha Online, ao se despedir da presidente, FHC sussurrou no ouvido de Dilma pedido de audiência do grupo The Elders (Os anciãos, em português). Fundada por Nelson Mandela em 2007, o The Elders reúne líderes mundiais para promoção da paz. Além de FHC, inclui o ex-presidente dos EUA Jimmy Carter e o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan. Segundo FHC, o grupo organiza uma visita ao Brasil. "Será uma honra contar com tão qualificada companhia", respondeu Dilma, com as mãos sobre o braço do ex-presidente. Dilma sugeriu que FHC agendasse o encontro com o grupo e deixou aberta a hipótese de um outra reunião, ao acrescentar: Mas vá [também] sozinho".

Agora, que ninguém nos ouça ou nos leia: Na verdade formam belo casal. Um casal de estadistas. FHC todo garboso, Professor e Sociólogo e a Presidenta Dilma Rousseff, primeira mulher Presidenta do país. Logo chamaríamos de FHC & DRC. Lindo.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Então, Não se Reprima.

Anos 80... Lembrei dos Menudos. As meninas morriam de amores. Os meninos morriam de inveja. Os gays morriam de amores e inveja... Lindo isso, não?


Pois bem, o novo clipe de Ricky Martin é um dos melhores já produzidos até então. Uma clara evidência dos de Michael Jackson (vide Black Or White). Nele, Ricky conseguiu matar dois coelhos com uma caixa d’água só: Revelando ser gay, atraiu a mídia não apenas pela declaração, mais aliada ao seu histórico de sucessos, e pela sutileza em assumir algo que lhe fazia mal, que era esconder algo que já se cogitava há bastante tempo.


O que vale salientar é que pelo menos no seu caso, nunca se ouviu escândalos ou coisas que viessem denegrir sua (boa) imagem perante o público, e certamente, por mais que o preconceito seja latente na sociedade, sua aparição serve para desmistificar o ‘ser gay’ que tanto afugenta os fãs daqueles que resolvem sair do tal armário. Por falar em armário, lembrei novamente da geladeira: Toda casa tem uma. Só muda a cor. #Ficaadica.


Para finalizar esse post, segue o vídeo-música de Ricky Martin - The Best Thing About Me Is You  Com a tradução colhida pelo site vaga-lume.





A melhor coisa em mim é você

Da da did did... did da da da - Da da did did... did da da da - Da da did did... did da da da

Estou sempre o mais feliz que posso estar, pois sou alérgico à tragédia
O médico diz que tem algo errado comigo, o sorriso no meu rosto não tem remédio

Então, não diga não. Vamos lá... diga sim. Você sabe que é hora de deixar a coisa simples
Vamos nos arriscar e esperar pelo melhor. A vida é curta, então faça dela o que você quiser.
Faça o melhor, não espere até amanhã. Acho que estou tranquilo pois seu nome está na tattoo de coração
A melhor coisa em mim é você!

Meus dias de choro agora são passado, mudei de filosofia. Vivo cada dia conforme eles vão aparecendo
E não vou me levar muito a sério... então

Então, não diga não. Vamos lá... diga sim. Você sabe que é hora de deixar a coisa simples
Vamos nos arriscar e esperar pelo melhor. A vida é curta, então faça dela o que você quiser.
Faça o melhor, não espere até amanhã. Acho que estou tranquilo pois seu nome está na tattoo de coração
A melhor coisa em mim é você! É você... Agora a melhor coisa,  a melhor coisa... É verdade...

Tire seus sapatos, relaxe, tire esse fardo. Me passe as suas tristezas, deixe-me te amar até você esquecê-las
Não há nada a perder, então não aja tão como adulto. Apenas saia e fique admirando o luar comigo - (Apenas diga sim) Vamos lá... apenas diga sim. Você sabe que é hora de deixar a coisa simples. Vamos nos arriscar e esperar pelo melhor. A vida é curta, então faça dela o que você quiser. Faça o melhor, não espere até amanhã!

Acho que estou tranquilo pois seu nome está na tattoo de coração. A melhor coisa em mim é você... É você...
Agora a melhor coisa em mim é você. E a melhor coisa em mim é você. Melhor coisa em mim é você. A melhor coisa em mim é você.

The Best Thing About Me Is You

Da da did did... did da da da - Da da did did... did da da da - Da da did did... did da da da

I'm as happy as I can be.
Cause I'm allergic to tragedy. The doctor says something's wrong with me the smile on my face has no remedy. So baby, Don't say no come on..and just say yes. You know it's time to keep it simple let's take a chance and hope for the best. Life is short so make it what you wanna make it good, don't wait until mañana
I think I'm cool cause your name's on this heart shaped tattoo, now. The best thing about me is you

My cryin' days are now history. I had a change of philosophy. I take each day as it comes to me
And I won't take myself all that seriously..so It's you... Now the best thing. The best thing... It's true..wooo..oo

Take off your shoes, lay back, and take a load off. Give me your blues, let me love it away
Nothing to lose, so don't act like such a grown up. Stay out all night in the moonlight with me. (Just say yes)
Come on... and just say yes. You know it's time to keep it simple let's take a chance and hope for the best life is short, so make it what you wanna, make it good, don't wait until mañana! I think I'm cool cause your name's on this heart shaped tattoo now the best thing about me is you..wo..ooo. Is you wooo

Now the best thing about me is you. And the best thing about me is you. Best thing about me is you. 
The best thing about me is you

Sou o que me convém ser...

Sou o que me convém ser...